Últimas Notícias

Maior show do mundo em homenagem ao grande ídolo da música mundial, Michael Jackson, encantou os campistas nesta sexta-feira (20).

Celebrando uma década de sucesso, o show “Tributo ao Rei do Pop” – o maior espetáculo do mundo em homenagem ao grande ídolo da música mundial, Michael Jackson – foi a atração da noite desta sexta-feira (20), no Teatro Trianon. O público que lotou os lugares da Plateia Dom Américo se emocionou com a performance impecável do compositor, cantor e dançarino, Rodrigo Teaser. O evento contou com o apoio cultural da Prefeitura de Campos, por meio da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), sendo prestigiado por sua presidente, Auxiliadora Freitas.
No palco, acompanhado de talentosos músicos e dançarinos, Rodrigo Teaser se apresentou com figurinos impecáveis que eram famosos nos shows e clipes do maior astro da música mundial, dando um tom ainda mais especial aos sucessos “Thriller”, “Beat it”, “Smooth Criminal”, “Billie Jean”, “Black or White”, entre outros.
“Que maravilha rever o público de Campos, que esperou dois anos para viver o encontro desta noite, pois nossa apresentação prevista para 2020 não chegou a acontecer, em razão da pandemia. A retomada da cultura pela qual o Brasil vem passando e Campos também, nos traz alegria e novo fôlego, depois de 20 meses fora dos palcos. Obrigado pelo carinho de vocês”, disse Rodrigo Teaser, que prepara um show especial para celebrar uma década de seu espetáculo, na Broadway, em Nova York.

Evento aconteceu na noite desta quinta-feira (19), no Palácio da Cultura, contando com a presença de autoridades e convidados.

A comemoração do 21º aniversário do Arquivo Público Municipal Waldir Pinto de Carvalho, realizada no Palácio da Cultura nesta quinta-feira (19), contou com palestra, exposição e apresentação musical. O evento foi promovido pela Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), reunindo autoridades e representantes da sociedade civil, tendo como ponto alto a assinatura do Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) e Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), garantindo recursos de R$ 20 milhões para a restauração do Solar do Colégio, sede do Arquivo, que fica em Tocos, na Baixada Campista.
Recepcionada pela presidente da FCJOL, Auxiliadora Freitas, e pela coordenadora do Arquivo, Rafaela Machado, a professora Claudia Atallah, da Universidade Federal Fluminense (UFF) campus Campos dos Goytacazes, proferiu a palestra “Demarcação dos territórios de poder no pós-independência: a criação da comarca de Campos dos Goytacazes e o acervo do Arquivo Municipal Waldir Pinto de Carvalho”.
“Fico muito honrada com a oportunidade de participar das festividades do aniversário do Arquivo, que é parceiro do curso de História da UFF. O acervo guardado no Solar do Colégio é importante para Campos e para todo o Brasil, tamanha a riqueza de seus documentos. Meus estudos sobre a demarcação dos territórios da região e a criação da Comarca de Campos, em 1833, contaram com documentos do Arquivo para sua fundamentação”, detalhou Claudia Atallah.
O público que acompanhou a comemoração do 21º aniversário do Arquivo conheceu, em primeira mão, a exposição “Cinco séculos de história: o açúcar e a formação histórico e cultural dos Campos dos Goytacazes”, com 12 módulos de conteúdo dispostos em um moderno painel expositor, detalhando a história do ciclo da cana no município.
A atração musical da noite foi o grupo Scherzo Quartet, formado pelos jovens músicos campistas Marlon Beraldi (violino), Felipe Diamantino (viola), Pedro Carvalho (violoncelo) e Karolline Chaves (flauta). No repertório, destaque para “Incatations”, de Richard Meyer; “Carinhoso”, de Pixinguinha e “Tico-Tico no Fubá”, Zequinha de Abreu.

 

Através do Termo de Cooperação, a Alerj está destinando R$ 20 milhões para as obras de restauração do Arquivo Público Municipal.

“O Arquivo Público de Campos vai se tornar o melhor Arquivo Público do Brasil. Isso é motivo de orgulho para todos nós”. Foi com essas palavras que o prefeito Wladimir Garotinho, ao lado do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), o deputado estadual André Ceciliano, participou da solenidade comemorativa pelos 21 anos do Arquivo Público Municipal Waldir Pinto de Carvalho, localizado em Tocos, na Baixada Campista, quando foi assinado o Termo de Cooperação Técnica para a restauração do prédio com recursos de R$ 20 milhões da Alerj, sobras do duodécimo, repassada à Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf). Instalado no Solar dos Jesuítas, uma das mais antigas construções do município, o Arquivo possui um grande acervo histórico e é procurado por pesquisadores do Brasil e de outros países.  Acompanhando o prefeito, estavam a primeira-dama, Tassiana Oliveira; e o vice-prefeito, Federico Paes, com sua esposa Carla Paes.

O prefeito lembrou do cenário que encontrou assim que assumiu a Prefeitura de Campos, em janeiro de 2021, sem dinheiro em caixa até para pagar os salários dos servidores, que estavam com vencimentos atrasados na ocasião. “Poder chegar em um dia como esse em que a cidade está equilibrada, estável e que paga suas obrigações e os funcionalismo em dia e voltou a ter poder de investimento e que, principalmente, voltou a contar com parceiros, seja dos governos estadual, federal, da Assembleia Legislativa. Hoje, Campos conta com apoio da classe política porque ela acredita que o trabalho que está sendo feito aqui é sério e que já equilibrou a cidade”, disse Wladimir.
– O Arquivo Público vai movimentar o turismo, vai fazer da nossa cidade uma referência para a busca de informações históricas. Fico extremamente feliz de saber que meu nome vai estar na placa da restauração do Arquivo Público Municipal para a eternidade  – disse Wladimir, lembrando que o projeto, desenvolvido pela Sociedade Artística Brasileira (SABRA) já está aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico (Iphan) e já possui autorização para iniciar a obra, faltando apenas o trâmite burocrático da licitação.
O prefeito lembrou que atualmente estão sendo reformados os teatros de Bolso Procópio Ferreira; teatro Municipal Trianon; teve aprovado o Plano Municipal de Cultura. “Aprovamos uma lei inédita no país em que toda instituição financeira que fizer qualquer tipo de negociação com o servidor público tem que destinar 5% para a cultura”.
– A Assembleia Legislativa tem economizado cerca de R$ 500 milhões, por ano, do nosso orçamento e é graças a essa economia que estamos podendo ajudar não só Campos, mas outros municípios também. Os recursos já estão na conta da universidade. É um honra estarmos aqui representando toda assembleia legislativa porque este momento representa a obra de um conjunto: mesa diretora e todos os parlamentares – destaca Ceciliano, ressaltando outros projetos que a Alerj vem ajudando.
O parlamentar também adiantou a possibilidade de ajudar na restauração de outros prédios de Campos como Solar dos Ayrizes, Museu Olavo Cardoso e Mercado Municipal, além do projeto turístico do Consórcio Público Intermunicipal de Desenvolvimento do Norte Fluminense (Cidennf) no valor de R$ 10 milhões. Com o convênio, também, será possível contratar profissionais e investir em novos equipamentos para digitalização do acervo.
Também compuseram a mesa o vice-prefeito, Frederico Paes; a presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), Auxiliadora Freitas; o presidente da Câmara de Vereadores, Fábio Ribeiro; a vice-reitora da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf); Rosana Rodrigues, representando o reitor Raul Palácio; a coordenadora do Arquivo, Rafaela Machado;   o bispo Diocesano de Campos, Dom Roberto Francisco Ferrería Paz; o conselheiro do Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural de Campos (Coppam), Edvar Chagas, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL/Campos); o prefeito de Carapebus, Bernard Tavares; e, representando o Conselho Municipal de Cultura (Comcultura), Marcelo Sampaio. “É muito importante que, em 21 anos de existência, aconteça essa tão aguardada restauração de um equipamento cultural como é o nosso Arquivo Municipal”.
– É muito importante que a gente tenha conseguido reunir neste espaço agentes, produtores culturais, políticos, uma sociedade que está empenhada na restauração do Solar do Colégio. Hoje, é o início da realização de um sonho – disse Rafaela Machado, que agradeceu ao deputado estadual André Ceciliano e registrou o trabalho do museólogo Carlos Freitas, que montou a equipe que atua no Arquivo. Ela também homenageou os dois funcionários mais antigos do Arquivo Público, atuando no equipamento há 21 anos: Seu Jorge, que abre e fecha o Arquivo todos os dias, e Maria Lúcia, que cuida da biblioteca.
A historiadora também registrou a importância da atuação do prefeito Wladimir Garotinho. “Poucas vezes, eu vi um político bater na mesa em defesa de um patrimônio. Talvez, tenha sido a primeira vez. Não existiria mais o Solar sem o Arquivo e não há condições de existir o Arquivo sem o Solar”.
O deputado estadual Bruno Dauaire, que também contribuiu para que a verba da Alerj fosse destinada ao Arquivo, enviou mensagem. O presidente da Câmara, Fábio Ribeiro, registrou a presença do vereador Edson Batista, autor da lei que criou o Arquivo Público Municipal.
– Queria agradecer ao prefeito Wladimir pela sensibilidade que ele tem tido com a cultura do nosso município. A gente tem aqui em Campos um prefeito que entende a importância histórica desse município e que entende que se a gente não preservar nossa história e nossa cultura, não vamos estar cuidando do nosso povo e da nossa gente – ressalta a presidente da FCJOL, Auxiliadora Freitas.
Foram convidados para a assinatura do Termo de Cooperação  o prefeito Wladimir Garotinho; o deputado estadual André Ceciliano; a vice-reitora da Uenf, Rosana Rodrigues; a presidente da FCJOL, Auxiliadora Freitas, além do subprocurador Luiz Boechat e o procurador da Uenf, Humberto Nobre.

Evento será marcado pela assinatura do Termo de Cooperação Técnica, que garantirá recursos para a restauração do Solar do Colégio, sede do Arquivo.

Celebrado na quarta-feira (18), o 21º aniversário do Arquivo Público Municipal Waldir Pinto de Carvalho será comemorado nesta quinta-feira (19), às 18h, em evento no Palácio da Cultura. Na ocasião, acontecerá a solenidade de assinatura do Termo de Cooperação Técnica celebrado entre a Prefeitura de Campos e a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), através da verba de R$ 20 milhões da sobra do duodécimo da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), repassada diretamente à Universidade, garantindo recursos para a restauração do Solar do Colégio, sede do Arquivo.
O ato de assinatura do Termo terá as presenças do prefeito Wladimir Garotinho; do presidente da Alerj, deputado André Ceciliano e do reitor da Uenf, Raul Palácio. O Solar do Colégio, localizado na Rodovia Sérgio Vianna Barroso, em Tocos, na Baixada Campista, pertencente ao Governo do Estado – cedido ao município desde 2000 para abrigar o Arquivo Público –, é administrado pela Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL). Com idade avançada, a construção apresenta fragilidade em diversos pontos de sua estrutura, principalmente no telhado. Restaurado, o imóvel terá cada vez mais força para continuar guardando a história de Campos.
“Será um dia de grande importância para a cultura de nosso município. Nosso Arquivo está entre os cinco melhores arquivos públicos do país, é uma joia rara e merece ser valorizado. Esperamos, com urgência, a restauração do imóvel que foi construído pelos Jesuítas no século XVII e, na atualidade, é o prédio mais antigo de Campos, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)”, destaca a presidente da FCJOL, Auxiliadora Freitas.
A coordenadora do Arquivo, Rafaela Machado, anuncia a programação do evento desta quinta-feira. “Nossa celebração no Palácio da Cultura terá início com a palestra ‘Demarcação dos territórios de poder no pós-independência: a criação da comarca de Campos dos Goytacazes e o acervo do Arquivo Municipal Waldir Pinto de Carvalho’, proferida pela professora, Claudia Atallah (UFF/UERJ). Em seguida teremos o lançamento da exposição ‘Cinco séculos de história: o açúcar e a formação histórico e cultural dos Campos dos Goytacazes’. A assinatura do Termo de Cooperação Técnica será a penúltima ação, seguida de uma apresentação de música clássica com o grupo Scherzo Quartet”, detalha.
ANIVERSÁRIO DE 21 ANOS DO ARQUIVO PÚBLICO – PROGRAMAÇÃO
19 DE MAIO DE 2022 – PALÁCIO DA CULTURA
18h – Palestra – Prof. Claudia Atallah – UFF / UERJ
Título: Demarcação dos territórios de poder no pós-independência: a criação da comarca de Campos dos Goytacazes e o acervo do Arquivo Municipal Waldir Pinto de Carvalho.
18h30 – Lançamento da Exposição Cinco séculos de história: o açúcar e a formação histórico e cultural dos Campos dos Goytacazes.
19h – Solenidade de Assinatura do Termo de Cooperação Técnica celebrado entre a Prefeitura e a UENF e Lançamento do Projeto de Restauração do Arquivo
20h – Recital de música instrumental com o grupo Scherzo Quartet

Solenidade de assinatura do termo para início das obras no prédio histórico acontecerá quinta-feira (19), às 19h, no Palácio da Cultura.

Em comemoração aos 21 anos do Arquivo Público Municipal Waldir Pinto de Carvalho, instalado no Solar do Colégio, na Baixada Campista, na próxima quinta-feira (19), uma grade de eventos vai marcar a data. No entanto, o acontecimento de maior destaque e mais esperado, será a assinatura do Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura de Campos e a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), às 19h, no Palácio da Cultura, para o lançamento do projeto de reforma e restauração do prédio histórico. A reforma completa, no valor de R$ 20 milhões, tem recurso do Fundo Especial da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).
A assinatura do termo terá a presença do prefeito Wladimir Garotinho; do presidente da Alerj, André Ceciliano, e do reitor da Uenf, Raul Palácio – instituição que executará o projeto de reforma.
O projeto de lei para a restauração, de coautoria do deputado estadual Bruno Dauaire, foi aprovado por unanimidade na Alerj, em dezembro do ano passado, ressaltando a importância da revitalização do equipamento histórico e cultural de Campos.
“Com certeza é uma conquista histórica para toda a região. Um acervo que precisa ser digitalizado, é um prédio que precisa de reforma e graças ao empenho e sensibilidade do presidente da Alerj, junto com os demais deputados, conseguimos destinar recursos para a recuperação deste instrumento cultural, com o apoio da Assembleia Legislativa. Parabenizo também o prefeito Wladimir, que foi incansável na busca por essa verba”, disse o deputado Bruno Dauaire.
O prefeito Wladimir Garotinho publicou um vídeo em suas redes sociais para dar a notícia e comemorou a conquista para a cidade. “É um ganho extraordinário, maravilhoso, para a cultura e também para a valorização do patrimônio histórico da nossa cidade”.
Em janeiro deste ano, a Alerj repassou o recurso no valor de R$ 20 milhões à Uenf, que será responsável pela execução do projeto de reforma e restauração do prédio que abriga o Arquivo Público Municipal, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).
Palácio da Cultura – Ainda na programação pelos 21 anos do Arquivo Público, às 18, será ministrada palestra da professora Cláudia Atallah (UFF/Uerj), com o tema “Demarcação dos territórios de poder no pós independência: a criação da comarca de Campos dos Goytacazes e o acervo do Arquivo Público Municipal Waldir Pinto de Carvalho”. Já às 20h, haverá recital “Scherzo Quartet”, aberto ao público.

Atividade é direcionada a professores, arquitetos, agentes culturais e comunidade, e faz parte das 20ª Semana Nacional dos Museus.

A Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), em parceria com o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), iniciou, na manhã desta segunda-feira (16), no Teatro Municipal Trianon, o Curso Educação para o Patrimônio Cultural. Direcionado a professores, arquitetos, agentes culturais e comunidade, o curso faz parte 20ª Semana Nacional dos Museus, do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), que acontece entre os dias 16 e 22. A atividade também marca as comemorações do 10º aniversário do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes (MHCG), que será celebrado em junho.
A cerimônia de abertura marcou a recepção aos professores do curso, Sérgio Linhares e Leonardo Alves, e contou com as presenças da FCJOL, Auxiliadora Freitas; do gerente de Formação em Arte e Cultura da FCJOL, Fábio Mattos; da coordenadora do MHCG, Graziela Escocard, e do presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Campos e vice-presidente da Associação dos Amigos dos Museus Municipais de Campos, Edvar Júnior.
“Estamos avançando bastante com a realização deste curso. Nossa parceria com o Inepac, através de sua diretora, Ana Cristina Carvalho, é fundamental para o município. Tivemos 194 inscritos para este curso, com duas turmas, sendo a primeira nesta segunda e a segunda nesta terça-feira (17). O projeto tem o objetivo de apresentar conceitos de patrimônio cultural material e imaterial, bem como o significado dos atos de tombamento e registro, lugar e espaço de memória”, enfatizou Auxiliadora Freitas.
O diretor do Departamento de Pesquisa e Documentação do Inepac, Leonardo Alves, responsável pelo setor de Educação Patrimonial do Instituto, iniciou o curso destacando a importância de uma atividade deste porte no interior do estado.
“Junto do professor e historiador, Sérgio Linhares, estamos visitando Campos com imensa alegria, trabalhando a educação como forma de preservar o patrimônio. Este curso é o princípio de desdobramentos sempre positivos, como já ocorreu em outros municípios pelos quais passamos. O Inepac quer se aproximar da comunidade e Campos é uma cidade que merecia receber nosso curso, pois tem diversos imóveis com tombamento pelo Instituto”, avaliou Leonardo Alves.
Depois da apresentação de um inventário da história e das atividades do Inepac, os professores Sérgio Linhares e Leonardo Alves realizaram, no palco do teatro, uma atividade em que se trabalhou o conhecimento de imóveis importantes da cidade do Rio de Janeiro, de diversas épocas, sejam eles patrimônios tomados ou não. Três grupos com dez pessoas cada, montaram os cenários.